HISTÓRIA DA ARTE & LITERATURA  •  Maria Elizabete Santos Peixoto

Atividades profissionais

RESUMO

Crítica e historiadora de arte, nasceu no Rio de Janeiro em 1955. Graduada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1978). Atuou como pesquisadora-assistente e colaboradora na organização de exposições sobre história da arte no Brasil (1980-1982), participando da curadoria de diversas outras mostras realizadas por instituições culturais públicas e privadas (1980-1994).

Integrou o corpo técnico do Museu Nacional de Belas Artes (1984-2001), no qual exerceu a chefia da Seção de Pintura Brasileira (1984-1992); a coordenação geral do projeto de exposição histórica que acompanhou a restauração das pinturas monumentais Batalha do Avaí e Batalha de Guararapes (1996-2000); e a coordenação-executiva do projeto de informatização do acervo – SIMBA (1992-1996). Posteriormente, foi assessora da presidência da Fundação de Arte de Niterói (2001-2004)

Participou de reuniões científicas, apresentando trabalhos no II Congresso Brasileiro de História da Arte (RJ, 1984); no Encontro Informatica 94 (Havana, Cuba, 1994); na Conferência Cultures Connected: Automating Museums in the Americas and Beyond (Washington, DC, 1994); e no seminário Integração e Intercâmbio de Dados Culturais por Meio da Informatização, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN (RJ, 1995), entre outros.

Integrou o Conselho Consultivo do Projeto de Restauração do Teatro Municipal João Caetano (Niterói, 1991-1994); o Conselho Curador da Coleção Roberto Marinho (1984-1990) e o Comitê de Amigos da Coleção Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa (1994-1995). Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte (desde 1983); do Comitê Brasileiro do International Council of Museums (desde 1982) e do Comitê International pour la Documentation CIDOC (desde 1994). Atualmente, exerce função técnica no Departamento de Patrimônio Material do IPHAN.

 

Hoje

Imagem autora

No momento a autora desenvolve pesquisas sobre pintores franceses e italianos no Brasil durante o século XIX, prosseguindo com seu projeto que teve início com a publicção do livro sobre os pintores alemães.